celular escuta o que falamos

O celular escuta o que falamos? Entenda como isso acontece

Atualmente, a segurança digital é um tema que preocupa muitas pessoas. Afinal, para ter praticidade no mundo moderno, os usuários acabam pagando com seus dados pessoais, que são coletados livremente na internet pelas empresas. Assim, a privacidade se tornou uma questão sensível.

Nesse contexto, uma discussão relevante é a que existe sobre se o celular escuta o que falamos, o que está associado aos anúncios altamente personalizados que surgem diariamente para os usuários.

Contudo, não precisa se assustar. Vamos explicar o que ocorre de fato nesse processo e como é possível ter mais controle da privacidade, neste artigo. Se quiser saber mais acerca do assunto e garantir a sua proteção, acompanhe!

O celular escuta o que falamos?

Frequentemente, as pessoas relatam que quando falam de algum produto ou alguma necessidade perto do celular, anúncios e propagandas relacionados surgem nos sites que elas acessam depois disso.

Elas falam sobre o plano de internet e, em seguida, veem imagens de provedores. Falam da necessidade de comprar sapatos e as propagandas de vendas de calçados aparecem também.

Diante disso, surge a curiosidade: será que o smartphone realmente escuta o que falamos? Será que é possível? Essa ação não representaria invasão de privacidade? Para entender isso, vamos primeiro contextualizar o sentido de retargeting.

Retargeting

Esse conceito é famoso no marketing para significar anúncios que acompanham o usuário em vários sites que ele acessa, com base em um engajamento que aconteceu antes. Funciona assim: ao clicar em um determinado anúncio, pesquisar algo ou curtir alguma postagem em alguma rede social, isso é coletado e registrado como seus interesses.

Então, a partir disso, as plataformas selecionam propagandas relacionadas aos seus interesses e elas ficam aparecendo em diversos sites que você acessa, para gerar convencimento e decisão de compra. Essa é uma estratégia baseada no fato de que você já faz parte dos possíveis alvos daquela empresa, por isso, é uma personalização das propagandas de acordo com sua navegação.

Aliás, as organizações rastreiam seu histórico o tempo todo. Tudo o que você faz online diz muito sobre quem você é. Nas redes sociais, as pessoas com quem você se relaciona também dizem muito acerca de sua personalidade e de seus gostos.

Coleta de dados de voz

Então, o que acontece com o fenômeno de falar algo e depois ver anúncios relacionados? É simples. Esse mecanismo também é comum e acontece com as assistentes virtuais, como a Alexa e a Siri.

O usuário ativa o sistema com um gatilho em forma de comando (“Ok, Google” ou “Hey, Siri”) e, então, a assistente passa a ouvir o que ele diz e buscar informações para satisfazer suas necessidades e resolver seu problema.

A questão é que esses sistemas podem acidentalmente ser ativados com outros comandos também, que não são necessariamente conhecidos pelo usuário. Assim, quando a pessoa está tranquilamente conversando perto do seu smartphone, acaba ativando o assistente, que registra sua conversa.

Contudo, essa coleta indevida é sempre negada pelas empresas provedoras desses sistemas, o que é compreensível, pois representa uma grande falha e expõe as informações pessoais a brechas de segurança. Segundo as grandes corporações, apenas a inteligência artificial tem acesso aos registros de voz, o que serve para amenizar o problema.

segurança digitalPowered by Rock Convert

Contudo, recentemente, a própria Google, uma das gigantes do ramo, admitiu que as conversas dos usuários estavam sendo ouvidas por funcionários para ajudar a melhorar os serviços e a compreensão da assistente.

Anúncios relacionados ao que você fala

Finalmente, chegamos aos anúncios relacionados. Isso pode acontecer por conta das permissões dos aplicativos. Lembra de quando você instalou o último aplicativo no celular? Você leu tudo? Uma das pop-ups mostra quais informações do seu aparelho serão utilizadas e quais permissões serão necessárias para utilizar o app corretamente. Alguns solicitam o uso do microfone e essa é a raiz do perigo.

Afinal, com a permissão do microfone, esse sistema tem o que precisa para ser acionado por comandos específicos, desconhecidos para o usuário, como um termo mencionado em uma conversa sobre um sapato que você quer comprar ou aquela viagem para o exterior que você sonha em fazer.

Então, esse dado é registrado como um de seus interesses, assim como seria caso você realmente digitasse isso ou clicasse em algum post/conteúdo relacionado. Em seguida, a informação é utilizada, a fim de direcionar os anúncios das vendedoras de sapato e agências de viagens para você.

Nesse caso, as empresas ainda conseguem se defender ao alegar que não estão vendendo essas informações diretamente para as anunciantes, mas, sim, utilizando-as internamente para personalizar as propagandas que elas criam na plataforma. De qualquer jeito, você sente um incômodo ao perceber o quanto essas companhias sabem sobre você.

Como se proteger?

Diante de tudo isso, como se proteger? Existe mesmo alguma estratégia para garantir a segurança?

O ideal é que os usuários se interessem e aprendam mais sobre segurança e privacidade, a fim de permanecerem em alerta sempre que fizerem um negócio com alguma empresa ou baixar algum aplicativo no celular. É importante estarem cientes das políticas de privacidade dos apps e das permissões, como já falamos.

Remover o histórico

No Google, especificamente, o usuário de Android consegue acessar a central de privacidade para descobrir o que foi registrado e quais conversas constam no histórico de diálogo com a assistente do smartphone. Em outros sistemas, é sempre importante procurar esse mesmo endereço, no qual é possível conferir as gravações e o que foi coletado.

Então, o usuário deve procurar também alguma forma de remover essas informações, o que pode ser feito ao excluir o histórico de gravações do Google, por exemplo. Caso não haja alguma opção, o ideal é entrar em contato com a empresa ou buscar na internet, sendo que até mesmo registrar uma reclamação é válido, afinal, o cliente deve ter o poder de solicitar a remoção de seus registros.

Bloquear o microfone

Para tratar diretamente do uso do microfone dos apps, você pode bloquear o acesso ao recurso, bem como o acesso à câmera. No Android, isso é feito nas configurações de cada aplicativo, na seção de permissões.

Da mesma forma, nas configurações gerais, o usuário deve também bloquear o uso de microfone no teclado, um recurso que permite que você não digite e obtenha respostas mais rapidamente.

Atualmente, o celular escuta o que falamos e é preciso atentar para boas práticas de segurança, a fim de controlar isso. Uma das dicas é gerenciar as permissões e ter plena noção do que os apps estão utilizando.

Gostou do assunto? Não deixe de compartilhar este post em suas redes sociais e alertar os seus amigos sobre essa importante questão de segurança digital.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.